sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Carne de Língua
Há muito, muito tempo, existiu um rei que se apaixonou perdidamente por uma rainha. Depois do casamento, ela foi morar no castelo do rei, mas, assim que pisou lá, misteriosamente ficou doente. Ninguém sabia por que a rainha havia adoecido; o fato, porém, é que ela definhava a cada dia.
O dono da coroa, que era muito rico e poderoso, mandou chamar os melhores médicos do mundo. Eles a examinaram, mas não descobriram a causa da doença. O rei, então, mandou chamar os curandeiros mais famosos do mundo. Fizeram preces, prepararam poções e magias. Também não adiantou nada. A rainha emagrecia diariamente – dali a pouco desapareceria por completo.
O rei, que amava sua esposa tão intensamente, decidiu:
- Eu mesmo vou procurar a cura para a doença da minha rainha.
E lá foi ele procurar a cura para a sua rainha. Andou por cidades e campos. Num desses campos, avistou uma cabana. Ao chegar perto, aproximou o rosto da janela e viu, lá dentro, um casal de camponeses. O camponês mexia os lábios e, na frente dele, a camponesa, gordinha e rosadinha, não parava de gargalhar. Os olhos daquela mulher transbordavam felicidade.
O rei começou a pensar:
- O que será que faz essa mulher ser tão feliz assim?
Com essa pergunta na cabeça, ele respirou fundo e bateu à porta da cabana.
- Majestade! O que o nosso rei deseja? – perguntou o súdito, um pouco assustado com a presença real à sua frente.
- Quero saber, camponês, o que você faz para sua mulher ser tão feliz e saudável? A minha mulher está morrendo no castelo, toda tristonha.
- Muito simples, Majestade: alimento a minha mulher todos os dias com carne de língua.
O visitante pensou que tivesse ouvido errado: carne de língua! O morador da cabana repetiu:
- Alimento minha esposa diariamente com carne de língua.
A situação era de vida ou morte. O rei, mesmo achando aquilo meio estranho, agradeceu ao homem do campo e foi correndo de volta para o castelo. Chegando lá, mandou chamar imediatamente à sua presença o cozinheiro real:
- Cozinheiro, prepare já um imenso sopão com carne de língua de tudo o que é animal vivente na Terra.
- O quê?! Como assim, Vossa Majestade? – estranhou o chefe da cozinha real, com um ponto de interrogação no rosto.
- Você ouviu direito! Carne de língua de todos os animais do reino! Corra, porque a rainha não pode mais esperar.
O cozinheiro foi chamar os caçadores do reino. Passadas algumas horas, ele tinha à sua frente línguas de cachorro, gato, rato, jacaré, elefante, tigre, girafa, lagartixa, tartaruga, vaca, ovelha, zebra, hipopótamo, sapo, coelho…
No meio da noite, a nova sopa já estava pronta no caldeirão. O próprio rei foi alimentar a rainha com carne de língua. Entrou no quarto e ficou espantado com a aparência dela. Sentou-se ao lado, pegou uma colher do sopão e a aproximou da boca de sua amada esposa. Com muito esforço, ela engoliu algumas colheradas daquela comida exótica.
O rei esperou, esperou e esperou, mas a rainha não melhorava – muito pelo contrário, parecia que a morte a levaria a qualquer momento. Cansado de esperar, ele se desesperou. Se não fizesse algo, sua mulher iria embora para sempre.
-Soldado! Soldado! – gritou.
Um homem enorme, com armadura e espada, entrou no quarto.
- Escute bem, soldado. A rainha tem que ser transferida imediatamente para a casa de um camponês. Lá você encontrará uma mulher gordinha e rosadinha; quero que a traga até aqui.
Então explicou ao soldado onde ficava a casa desse homem do campo. Essa era a última chance, ele imaginava, de a mulher sobreviver. Mas talvez o rei não tivesse entendido direito o que o camponês lhe dissera.
- Corre, corre, soldado! A vida da rainha depende disso!
O soldado pegou a rainha no colo e com a ajuda de outros homens saiu em disparada até a casa no campo. A troca foi feita e, assim que a camponesa entrou no castelo, adoeceu misteriosamente. Depois de três semanas, aquela mulher, que era gordinha e rosadinha, estava magra e triste. O rei, então, decidiu ver como estava a sua esposa.
Chegando na cabana, pôs o rosto na janela e… Não podia ser! A rainha estava gordinha, rosada e gargalhava como nunca se vira antes. À sua frente, o camponês não parava de mexer os lábios. O rei bateu à porta:
- Novamente por aqui, Majestade! O que deseja?
- Camponês, o que está acontecendo!? A sua esposa está morrendo no meu castelo e a minha está toda feliz e saudável aqui na nossa frente.
- Me diga, Majestade: o que fez?
- Fiz exatamente o que você mandou. Dei carne de língua de cachorro, gato, sapo, coelho, girafa… para a minha rainha e para sua esposa também. Mas, caro súdito, nada adiantou.
- Vossa Majestade não compreendeu o que eu disse – riu-se o homem do campo. – Eu alimentei a rainha e a minha esposa com carne de língua: as histórias contadas pela minha língua.
Sua Majestade meditou um pouco sobre aquelas palavras. Lembrou-se também dos lábios daquele homem se mexendo. Parecia que agora havia entendido. Chamou sua esposa de volta e mandou a camponesa de volta para sua casa. Assim que a rainha entrou no castelo, o rei prometeu que lhe daria todas as noites, antes de dormir, carne de língua.
A partir daquele dia, contam os quenianos, o rei contava uma história diferente todas as noites. Esse povo africano nos revelou que nunca mais a rainha ficou doente. Ensinaram-nos um segredo: As histórias fazem muito bem para as mulheres, homens, crianças, jovens, velhos – e até mesmo para os reis.
(Conto Africano retirado do livro As Narrativas Preferidas De Um Contador De Histórias,
de Ilan Brenman).

quinta-feira, 13 de junho de 2013

UMA IDEIA LEGAL PARA GUARDAR OS LÁPIS DAS CRIANÇAS...
Retirada do site "crie e faça você mesmo".

domingo, 2 de junho de 2013

Uma ideia criativa para quem gosta de brincar e contar histórias...
 
Cartolina + prendedores de roupa = Diversão!
Publicação retirada do site "casa do Brincar"

segunda-feira, 27 de maio de 2013


UMA HISTÓRIA PARA CONTAR E BRINCAR

O castelo amarelo Malba Tahan

O castelo amarelo
Malba Tahan

__ Vou contar, agora, para vocês uma história muito interessante. Uma história formidável!
    Quero combinar, porém, uma coisa com vocês.
    Prestem bem atenção:
__ Sempre que eu levantar a mão e fizer assim (levantar os braço0 vocês todos gritarão):
__ A-MA-RE-LO!
    Está bem? Combinado?
    Então a história começa assim:
__ Num lindo castelo vivia um rei, e esse castelo era lindo mesmo, e era todo... (amarelo)
    Mas esse rei tinha uma filha, é uma princesinha linda, ela era obediente, estudiosa, e muito alegre.
__ Todo o dia de manhã, muito cedo, a Princesinha vestia seu vestido... (amarelo).
____... E ia ao jardim do castelo e colhia um cravo... (amarelo).
__ Um dia estava o rei muito ocupado, trabalhando em seu escritório, quando a princesinha apareceu. Os olhinhos arregalados.
__ O que foi minha filha? Esta noite... Eu estava... Dormindo... De repente... Ouvi... No corredor... Um barulho...Acordei...Abri os olhos e vi... Diante da porta ___ do meu quarto ___ um fantasma... (amarelo).
__ O rei ouviu sua filha contar o caso do fantasma, disse logo:
__ Isso deve ser peraltice do copeiro, o Sebastião. É um rapaz muito brincalhão! Mas vou acabar com as suas brincadeiras.
    Mandou chamar o chefe da guarda. O chefe dos guardas apareceu logo.
__ Pronto Majestade! Às ordens!
Disse o rei:
__ Chefe dos Guardas! Esta noite minha filha estava dormindo, de repente ouviu um barulho qualquer no corredor e acordou. Pois bem, na porta do quarto minha filha viu um fantasma... (amarelo).
___ É o Sebastião, o copeiro, que vive assustando todo mundo com aquele lençol amarelo, só pode, ele errou de quarto e assustou a princesinha, mas não se preocupe que vou dar um jeito nele.
    Então o chefe da guarda preparou uma lata de tinta azul, e quando o copeiro passasse vestido com seu lençol amarelo ele iria jogar a tinta azul nele.
    Quando anoiteceu, o chefe da guarda ficou escondido atrás da porta esperando o fantasma passar, de repente ouviu... Cháápe... Cháápe...
__ Quem seria? O fantasma... (amarelo).
    Então o guarda pegou a lata de tinta na mão e quando o fantasma se aproximou, zás... Jogou a tinta azul no fantasma, que ficou... Ficou... (azul)...
    Não ficaram verdes, vocês erraram a história, pois quando eu misturo, a tinta azul com o amarelo dá verde. Então peçam para a professora fazer essa experiência para ver se a minha história é verdadeira.

O castelo amarelo
Malba Tahan


... __ Vou contar, agora, para vocês uma história muito interessante. Uma história formidável!
Quero combinar, porém, uma coisa com vocês.
Prestem bem atenção:
__ Sempre que eu levantar a mão e fizer assim (levantar os braço vocês todos gritarão):
__ A-MA-RE-LO!
Está bem? Combinado?
Então a história começa assim:
__ Num lindo castelo vivia um rei, e esse castelo era lindo mesmo, e era todo... (amarelo)
Mas esse rei tinha uma filha, é uma princesinha linda, ela era obediente, estudiosa, e muito alegre.
__ Todo o dia de manhã, muito cedo, a Princesinha vestia seu vestido... (amarelo).
__... E ía ao jardim do castelo e colhia um cravo... (amarelo).
__ Um dia estava o rei muito ocupado, trabalhando em seu escritório, quando a princesinha apareceu. Os olhinhos arregalados.
__ O que foi minha filha? Esta noite... Eu estava... Dormindo... De repente... Ouvi... No corredor... Um barulho...Acordei...Abri os olhos e vi... Diante da porta ___ do meu quarto ___ um fantasma... (amarelo).
__ O rei ouviu sua filha contar o caso do fantasma, disse logo:
__ Isso deve ser peraltice do copeiro, o Sebastião. É um rapaz muito brincalhão! Mas vou acabar com as suas brincadeiras.
Mandou chamar o chefe da guarda. O chefe dos guardas apareceu logo.
__ Pronto Majestade! Às ordens!
Disse o rei:
__ Chefe dos Guardas! Esta noite minha filha estava dormindo, de repente ouviu um barulho qualquer no corredor e acordou. Pois bem, na porta do quarto minha filha viu um fantasma... (amarelo).
___ É o Sebastião, o copeiro, que vive assustando todo mundo com aquele lençol amarelo, só pode, ele errou de quarto e assustou a princesinha, mas não se preocupe que vou dar um jeito nele.
Então o chefe da guarda preparou uma lata de tinta azul, e quando o copeiro passasse vestido com seu lençol amarelo ele iria jogar a tinta azul nele.
Quando anoiteceu, o chefe da guarda ficou escondido atrás da porta esperando o fantasma passar, de repente ouviu... Cháápe... Cháápe...
__ Quem seria? O fantasma... (amarelo).
Então o guarda pegou a lata de tinta na mão e quando o fantasma se aproximou, zás... Jogou a tinta azul no fantasma, que ficou... Ficou... (azul)...
Não, ficou verde, pois quando eu misturo, a tinta azul com o amarelo dá verde.

 

quinta-feira, 16 de maio de 2013



 
"Colha os frutos dos seus talentos,
caminhe com orgulho na estrada da vida,
seja humilde em seus sucessos e compartilhe
os elogios e as alegrias com os outros.
Acima de tudo, seja feliz.
Porque quando você é feliz, você tem a chave
que abrirá todas as portas do mundo para você".
J. Olson